s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Sonia Nogueira
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

*O Poder da Palavra *

É à força de expressão sem igual
Está na mão escrita em extensão
Na mente que cria em comunhão
Difusão em lavras lavoura universal

Dei-te a palavra sem receio
Usa-a com direito e liberdade
Saber usá-la como prioridade
É um dever, um direito sem rodeio.

Brota da alma sonho ou irreal
Mesmo na linguagem das mãos
Tem ela o poder da comunicação
Perdoa odeia ama com o mesmo ideal

Como contê-la se dela sou cativa
Uso abuso é domínio e me domina
Centenas desperdiçadas são ferinas
Quando bem postadas me fascina

No livro no jornal na platéia que anima
No intelectual no desprovido que é sina
Na boca do poeta no orador da esquina
No conquistador é a força que o domina

Seja a palavra no campo de batalha
O eco que espalha sobre a terra
O domínio, o corte sem navalha
Do caos que balouça incauta guerra

Faço da palavra meu sustento
O adubo que fertiliza a mente
O poder que ao vento é contento
Na divulgação da arte meu alento

O Amor e a Arte

Na arte meu coração se embevece
Cria na tela a imagem ao longe
Como se o estático que desfalece
Fosse miragem não realidade fonte

Os artistas na arte que representa
Entregam-se na criação vida plena
Sofre, ama, odeia, sofre a lenda
Volta à realidade encontra-se na cena

A arte de poetar mesmo fingindo a dor
Desenhado nas fartas palavras o amor
Dissimulando o sofrimento na desventura
Requer uma gota do sentir na árdua ventura

Amor e arte caminham de mãos dadas
Um sente outro representa a caminhada

Nas Águas Cristalinas

Nas águas claras, cristalinas mirei...
O Olhar revelava a limpidez da alma
Nos raios luminosos da pupila indaguei
Aonde encontrar outro olhar que acalma!

No pecúlio que o tempo é provedor
Acúmulo de previsões e conquistas
O amor é primogênito distensor
É prioridade, campo vasto protetor:

É como uma fonte d’água estagnada
Límpida, clara, eterna infinita iluminda
Porém impureza se a ela destinada
Esfacela-se, se fragmenta anuviada

Debruço-me aqui nesta contemplação
Coração clamando pelo teu olhar
Que chegue aqui com a mesma emoção
A mesma claridade o mesmo palpitar

Lá vi o mundo das glórias em conflitos
A degradação do planeta reinando
A lágrima da terra sufocando aos gritos
Muitos corações silenciosos clamando



BIOGRAFIA:
Sonia Nogueira

Moro em Fortaleza, Brasil, graduada em História,
Estudos Sociais, pós-graduada [especialização] em
Planejamento Educacional. Tenho a arte literária
como a fonte da sabedoria, da palavra que alimenta
sacia, engrandece ou aniquila com a força do
seu poder Universal. Sou educadora e acredito na
Educação como a fonte sustentáculo dos lares,
adubando a semente que germinará em cada etapa
própria ao seu desenvolvimento.


sogueira@yahoo.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s