Poetas Del Mundo Poets of the world
Our Poets & Artists Talented, Credentialed & Creative
Our Readers A wide diverse audience
Help & Support Call us: +56 9 8811 6084
0 0
Alberto da Cunha Melo  [1942 - 2007]

Alberto da Cunha Melo [1942 - 2007]


Nationality: Brasil
Email:

Biography
RELÓGIO DE PONTO

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim os jogos,
a poesia, todos os pássaros,
mais do que tudo: todo o amor.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e atravessaremos os córregos
cheios de areia, após as chuvas.

Se alguma súbita alegria
retardar o nosso regresso,
um inesperado companheiro
marcará o nosso cartão.

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim as faixas
da vitória, a própria vitória,
mais do que tudo: o próprio Céu.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e lavaremos as pupilas
cegas com o verniz das estrelas.

.

CASA VAZIA

Poema nenhum, nunca mais
será um acontecimento:
escrevemos cada vez mais
para um mundo cada vez menos,


para esse público dos ermos,
composto apenas de nós mesmos,


uns joões batistas a pregar
para as dobras de suas túnicas,
seu deserto particular;


ou cães latindo, noite e dia,
dentro de uma casa vazia.

.

CANTO DOS EMIGRANTES

Com seus pássaros
ou a lembrança de seus pássaros,
com seus filhos
ou a lembrança de seus filhos,
com seu povo
ou a lembrança de seu povo,
todos emigram.

De uma quadra a outra
do tempo,
de uma praia a outra
do Atlântico,
de uma serra a outra
das cordilheiras,
todos emigram.

Para o corpo de Berenice
ou o coração de Wall Street,
para o último templo
ou a primeira dose de tóxico,
para dentro de si
ou para todos, para sempre
todos emigram.

.
.

José ALBERTO Tavares DA CUNHA MELO, poeta, jornalista e sociólogo, nasceu em Jaboatão, Pernambuco, em 08 de abril de 1942. Filho e neto de poetas, fez parte do Grupo de Jaboatão que, conforme o historiador Tadeu Rocha, constitui a nascente da Geração 65 de poetas pernambucanos. Dentre os fatos que marcaram a sua intensa atividade cultural, destacam-se a sua atuação nas Edições Piratas [1979 a 1984], movimento editorial alternativo que publicou mais de 300 títulos de autores novos e consagrados, a criação e organização do Prêmio Anual de Poesia Carlos Pena Filho [1982 e 1983] e a editoria das páginas do Commercio Cultural, do Jornal do Commercio [1982 a 1985]. Na área oficial, exerceu vários cargos públicos, destacando-se a de Gerente de Bem-Estar Social do SESC - Delegacia do Estado do Acre [1980 - 1981]; duas vezes Diretor de Assuntos Culturais da FUNDARPE - Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco [1979/l980 e l987 a l989 e o cargo de Diretor do Arquivo Público Estadual de Pernambuco [1988]. Na virada do século [2001], foi incluído nas antologias de edição nacional, Os Cem Melhores Poetas Brasileiros do Século [2001] e 100 Anos de Poesia - Um panorama da poesia brasileira no século XX. Sua obra, Meditação sob os Lajedos [2002], mereceu o quarto lugar da primeira versão do Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira No livro Yacala [1999], Alfredo Bosi, coloca a sua obra à altura das dos poetas, Jorge de Lima, Carlos Pena Filho e João Cabral de Melo Neto. Em grande parte de sua poesia, no aspecto formal, destaca-se uso o sistemático do metro octossílabo, o mais rara em língua portuguesa, conforme anota o poeta e crítico César Leal. Atualmente o poeta trabalha no setor de Obras Raras da Biblioteca Pública Central e é editor da coluna Marco Zero, da revista Continente Multicultural. No site pessoal do poeta, é possível obter mais informações:
Obra publicada: Círculo Cósmico [1966]; Oração pelo Poema [1967]; Publicação do Corpo [1974]; Dez Poemas Políticos [1979]: Noticiário [1979]; Poemas à Mão Livre [1981]; Soma dos Sumos [1983]; Poemas Anteriores [1989]; Clau [1992]; Carne de Terceira com Poemas à Mão Livre [1996]; Yacala [1999]; Yacala [2000]; Um Certo Louro do Pajeú [2001]; Um Certo Jó [2002]; Meditação sob os Lajedos [2002]; Dois Caminhos e uma Oração [2003].
No record found.
No record found.
No record found.
Comments