s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Marcelo Mrio de Melo
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
POESIA PRA QUE TE QUERO

A Janice Japiassu

Para eles a poesia
é uma donzela
que não pisa no chão
e passeia de armadura
numa bolha de nuvem.

A poesia
não tem leito nos peitos
nem cheiro no sexo
e não constitui
nova versão
da Virgem Santíssima
que pariu sem pecado
mas sujou-se com o parto
e as radicalizações de mãe eleita. [*]

A poesia é uma irmã biônica do Filho
sem espinhos nem cruz
sem suor nem sangue
sem pão nem peixe
sem festa e vinho
sem óleos nem carinhos
de Madaleno.

A poesia mora num bunker
aromatizado com spray
composto de peças e paisagens
em realidade virtual.

A poesiafoi vacinada contra
e não se agenda para
tesões tensões contradições
confrontos e conflitos.

A poesia faz companhia limitada
a ela própria e seus eleitos
comunicando-se à distância
em circuito fechado.

A poesia se inscreve
por controle remoto
e sensibilidade remotíssima.

A poesia
é a dissecada coisa em si
e para si
com antena para nós
programada em pára-raios

[*] \'Ele realiza proezas com seu braço: dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos; eleva os humildes; aos famintos enche de bens; e despede os ricos de mãos vazias\' [O cântico de Maria - Lucas, 26-38]

MACROLOVE

Não quero ser para você
apenas
arquivo sem nome
subdiretório
beckup
ou resto na lixeira.

Nem pretendo só
inserir o meu disquete
no seu drivin.

Desejo ser
janela
ajuda
documento mestre
atalho
ícone principal
entre os seus programas favoritos.

Espero que você
me salve noseu disco rígido
me feche sempre com cuidado
me proteja com anti-vírus
e nos garanta com upgrades.

Quero que você me deixe
entrar nos seus arquivos
visualizar as suas impressões
me recortar
me colar
me editar
e me configurar
na sua tela inteira.

Mantenha sempre aberta
a sua caixa de entrada
que eu saberei clicar com jeito
o seu mouse
e penetrar nos seus periféricos
ajustando
a minha barra de ferramentas
aos contornos
da sua área de trabalho.

Por fim o apelo passional
de quem deseja com você
total integração em rede:
DELEITE-ME OU DELETE-ME!

BANDEIRAS

A Lorena Araújo

As nossas bandeiras
devem estar sempre
içadas
inteiras
e limpas.

Bandeiras
sujas e rasgadas
somente
pela força dos ares
do suor
ou do sangue
das campanhas.

É preciso proteger
nossas bandeiras
contra os ratos
e o mofo
das gavetas.

As nossas bandeiras br>não são para ficar
o ano todo guardadas
expostas apenas
em dias de festa.

Elas devem tremular
sempre
no alto dos mastros
e nas nossas andanças
de todo dia.

Assim
passando de mão a mão
de geração a geração
as nossas bandeiras
irão ficando gastas.

E de tempos em tempos
nós as substituiremos
por outras iguais
de panos novos.

E elas se olharão
como fazem
os avós e os netos.

E ficaremos todos satisfeitos
vendo as nossas bandeiras
renovadas
desfraldadas
inteiras
e limpas.



biografia:

Marcelo Mário de Melo
é jornalista, nasceu em Caruaru em 1944 e veio para o Recife em 1953, com nove anos de idade. Escreve poemas, histórias infantis, mini-contos e textos de humor.

Considera-se um poeta mateialírico e entende que as palavras não devem ser transformadas numa nova modalidade de culto.Vê a poesia como uma espiral-arcoíris de portas abertas e andantes, envolvendo os mergulhos introspectivos, os conflitos sociais e as viagens cósmicas.

Tem três referências fundamentais na vida:
a esperança crítica - nem otimismo nem pessimismo: o real tal qual viceja ou apodrece;
a megalomania moderada - grandes projetos com um redutor;
o narcisismo com espelho retrovisor - para que todos possam ver a própria cauda.

Politicamente, identifica-se como plebeu, republicano, democrata, cidadão de esquerda e socialista, procurando seguir o lema: sempre à esquerda, não ultrapasse pela direita. Integrou-se ao PCB aos 17 anos de idade, foi fundador do PCBR em 1968, atuou na clandestinidade e foi preso político em Pernambuco de março de 1971 a abril de 1979. Filiou-se ao PT em 1980. Defende uma militância com poesia prazer amizade e humor e uma esquerda com raízes, caules, folhas, flores e frutos.
Sendo plebeu e republicano, define-se como materialista e ateu por uma razão essencialmente política: os seguidores do Altíssimo querem implantar na terra o Reino de Deus e não lhe é aceitável essa forma de governo.

Publicou Os Quatro Pés da Mesa Posta [poesia] o Manifesto Masculinista [humor] e Entre Teias e Tocais, perfil parlamentar de David Capistrano, ex-deputado por Pernambuco e desaparecido político brasileiro; o Manifesto da Esquerda Vicejante Mais textos e Poemas.

Atualmente é assessor de comunicação social da Fundação Joaquim Nabuco e do Diretório Municipal do PT Recife.

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s