s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Geraldo Rodrigues de França
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
geraldorodriguesfranca@gmail.com
Biografia

Geraldo Rodrigues de França

Geraldo Rodrigues de França, nasceu em José Raidan MG em 1953. Atualmente reside em Ribeirão das Neves.Domiciliado á quarenta anos neste mesmo município. Em 1975 formou-se no curso técnico de edificação. Mais tarde graduou-se em História. Mas não quis seguir carreira na área de educação. Hoje aposentado, é escritor, poeta historiador e pesquisador da cultura mais simples do povo brasileiro. Escreve na tentativa de resgatar as memórias do passado e mostrar os bons costumes, já então esquecidos pela humanidade. Membro do Portal Escbrás www.escbrás.com  de onde tenho a minha credencial do escritor válida em todo território Nacional brasileiro

Parábolas da Poesias

A poesia é como arte de ferreiro. Versos forjados no martelo da ilusão. Que aquecidos pelas chamas da esperança. São tão ardentes quanto o fogo do carvão. Que assoprado por um fole imaginário. Molda uma foice temperada em sal de lágrimas. Mas o ferreiro não contém ela nas mãos. É um ferro quente encurvado na bigorna. E um verso concho que tornou-se linear. Quando cantado é despejado no ar. Como o ferreiro que atira a foice ao léu. Pois de tão quente se tornou incandescente. É um meteorito ou é um lixo no espaço? Não!!! Transformou-se em lua nova no céu. É a arte do ferreiro no infinito É a mensagem do poeta em deu-em-deu. Geraldo França.

 

MARIONETE VIVA

 

É um nicho de fantasias

Preso à goma se sustenta,

nos trapos de estimulantes,  

dos sonhos que a gente inventa.    

Franquias de algodão doce  

Que enobrece ao exaltismo.

Entre seus patrocinantes  

Legados do fanatismo

Diamantes da fibra elástica.

Quadrilátero dançante.   

Na magia de um barbante.  

Soberbo ao

Em lamparina vereda             

Numa bandagem de seda     

Que dá brilho o meu olhar  

 

SONETO DA PUBERDADE

                                 

Na simpatia da manhã sem alegria.               

Numa fuligem pelo pecado de origem.      

Dolente virgem numa cama de vertigem.     

Se fantasia ao prazer numa agonia.

Num calafrio de clamor suando frio.  

No enredado vê seu príncipe encantado.

Num conturbado de delírio apaixonado.   

Doce arrepio sente no colo vazio.                

É o segredo emocional de um folguedo.   

Que num brinquedo de ternura sente o medo.       

Da puberdade provocante da maldade.  

Num juramento ela renega ao sentimento.  

Pelo acalento vergonhoso do momento   

Simplicidade se transforma em vaidade.

 

PARÁBOLAS DA POESIAS

 

A poesia é como arte de ferreiro.   

Versos forjados no martelo da ilusão. 

Aquecidos pelas chamas da esperança.

São tão ardentes quanto o fogo do carvão.

Que assoprado por um fole imaginário.

Molda uma foice temperada em sal de lágrimas.    

Mas o ferreiro não contém ela nas mãos.      

É um ferro quente encurvado na bigorna.

E um verso concho que tornou-se linear. 

Quando cantado é despejado no ar.     

Como o ferreiro que atira a foice ao léu.  

Pois de tão quente se tornou incandescente.

É um meteorito ou é um lixo no espaço? Não!!!  

É a arte do ferreiro no infinito 

É a mensagem do poeta em deu-em-deu.                                                                                       

 

 

 

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s