s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Antonio Pedro da Fonseca
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
tony.aero@yahoo.com.br
Biografia

Antonio Pedro da Fonseca (TONY FONSECA) 

 10 DE JUNHO DE 1942 -  Professor  ( Doutor)   Português e Inglês

Jornalista , Escritor e Poeta - Cinco livros editados   - Apresentador de um programa na TV  Cabo Frio canal 10  (Bem-vindo ao Paraíso)

Secretário da Academia Cabofriense de Letras

Membro das Academias de Artes e letras de Cabo Frio  e da Academia de Letras e artes de Arraial do Cabo

 

DESENCONTRO

 

Nós nos desencontramos toda a vida...

E o lamentável é que em tantos anos,

Eu só lhe dei tristezas, desenganos

Sem ver a sua alma tão sofrida...

 

Hoje, aqui, distante dos seus planos,

Chorando por sentir sua partida,

Minha alma só, largada, destruída

É triste, remoendo os seus enganos.

 

E na lembrança de tudo o que vivi,

Ao seu lado, sem vê-la, distraído,

Eu sofro a dor maior que já senti.

 

Que pena que isso tenha acontecido;

Na sua chegada, eu não estava aqui,

Quando eu voltei, você já tinha ido...

 

 

               EU NÃO SABIA

 

Eu não sabia que te amava tanto

Até que conheci o sofrimento

A dor, a saudade, esse tormento

Razões de minha  angústia e de meu pranto

 

Fez-me surpresa o estranho sentimento

E o coração, tomado pelo espanto

Preso de mórbido e fatal quebranto

Chorou a mágoa e o descontentamento

 

Então no desprezo, no entristecimento

Deito, não durmo, e quando me levanto

Sua lembrança é só meu pensamento

 

Pedaços de você por todo o canto

Da alma cheia de arrependimento

Por não saber que te queria tanto

 

                 BEIJA FLORES

 

Sedentos da água doce que disponho
Eis que me visitam todos os dias
Asas nervosas, leves como um sonho
Que me insuflam a vida de alegrias

E eis que cantando belas melodias
Coloridos e lindos beija flores
Vêm à janela em grandes romarias
Sorver o néctar, declamar amores

Beija flores, quem sabe, são somente
Poesias que um dia, de repente
Escaparam furtivas de um papel

E então, para voar eternamente
Deus, bondosa e complacentemente
Às asas das palavras deu o céu...

 · 


 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s