s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Claudia Gadini
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Oxignio

s vezes choro, um momento
Na busca abrupta de respirar
Foi esse meu primeiro choro
Aquele do nascimento
Cortaram-me a fonte
de oxignio e alimento
Eu contorcida em apelos
Pendurada pelos tornozelos
O teto, o cho... Onde ?

As luzes me doeram os olhos
to pequenos... Me bateram
Meus pulmes arderam
Gritei para viver
Chorei em busca de ar
Ento isto nascer ?
Vim ao mundo para doer ?

At hoje fao isso. Naso.
Choro palavras, grito letras
Derramo tremas no teclado, oraes
Na poesia-vida, o oxignio puro
Soluo vrgulas, hiatos, radicais
Despeo-me do tero macio e escuro
Tramo e tremo absolutos, conjunes
E contraes que me devolvem luz

Escrever meu ato de respirar
Conjugando e exclamando todo o haver
Assim suporto o agudo do mundo
Me lancetando ao centro, profundo
Mas h em mim -imperativo- viver
E antes que a vida impea, peo
ao Universo a chama do respiro
Permita-me sempre um pouco de ar...

Claudia Gadini
12.01.06


***********************************
Boreal

Em teu rastro
cego sigo
sem tino
e sobrevivo
em vestgios

Sublimo perfume
pairo leve
plano pluma
no vcuo destino
vcio verso

Eu vagalume breve
de vida nenhuma

Aliso o espectro
surreal
ao reverso
e teus indcios
introspecto

E assisto
em armistcio
circunspecto
em mudo comcio
resisto e registro

Teu brilho boreal
de frio intelecto

Claudia Gadini
18/05/05


*******************************
Quero a Palavra

Quero a palavra invivel
inusitada, impublicvel
Indelevel e irrascvel
Quase corpo palpvel
Com acento sensvel
de teor indubitvel

Quero a palavra primeira
Bem ou mal construda
Fluindo assim incontida
Irreverente, verdadeira
Imoral e descabida
Com ressonncia certeira

Quero a palavra inquieta
Que alerta e desperta
A indolente madrugada
Forte, invisvel, sem letra
Arquiteta da forma inusitada
To perfeita ningum soletra

Quero a palavra vadia
Em transparncia sedosa
Na lngua bailarina que rodopia
Acrobacia no verso da prosa
De consistncia to ardorosa
Que a boca enrubesce e silencia

Quero aquilo que no se pronuncia.

Eu quero a asa da borboleta !

Claudia Gadini
14/10/05


biografia:

Sou Claudia Gadini
, amante das Letras e de todas as formas de Arte. S nelas vislumbro a presena Divina. Da humanidade, a nica salvao Fora isso, sou poeira de estrela, estatelada no cho.

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s