s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Tito Olivio Henriques
Nacionalidad:
Portugal
E-mail:
Biografia

DIA DA MÃE

Chorosos os olhos meus
Na brandura do cansaço,
São as saudades dos teus,
Do carinho dum abraço.
Longas são as tristes horas
De quem cá fica a viver.
Agora, tu já não choras
De alegria por me ver.
Tuas mãos eram macias,
Mas mirradas pela idade.
Apesar de serem frias,
Tinham calor de bondade.
Quando a sorte me mandar
Partir, deixar este solo,
Talvez te vá encontrar
E adormecer no teu colo.

Faro, 29-04-2011 20h34
Tito Olívio


NOITE LENTA

Dentro da solidão, na noite lenta,
Sinto falta de apoio feminino:
Um ombro, onde chorar o meu destino,
Aquele colo doce, que acalenta.

Quando romper o dia, em cor magenta,
Cama vazia, a roupa em desatino,
Quem me acorda com beijo peregrino,
Me sacode a preguiça pardacenta?

Fez-se a vida madrasta, nesta sorte,
Bate à minha janela o vento norte
E ri na minha cara com desdém.

Nada em tristeza a luz da madrugada,
Ao ver minha existência amargurada
E o meu futuro, que é não ter ninguém.

Tito Olívio
Faro, 22-04-2011 00h43


Tito Olívio

CURRÍCULO
TITO OLÍVIO HENRIQUES
nasceu na Freguesia de Vila Cova do Covelo, concelho
de Penalva do Castelo, distrito de Viseu, a 23 de Março de 1931.

Foi para Lisboa com 3 anos de idade, onde fez a instrução primária, o curso
liceal e a licenciatura em engenharia civil no Instituto Superior Técnico,
tendo iniciado a vida profissional em 1958, depois de ter cumprido o serviço
militar na Escola Prática de Artilharia, em Vendas Novas, e no Regimento de
Artilharia Pesada 1, em Sacavém, de onde saiu com a patente de alferes.

Desempenhou funções técnicas em diversas empresas, passando então para a
função pública. Foi engenheiro municipal nas Câmaras Municipais de Portimão
e de Silves. Actualmente está reformado como técnico superior da
Direcção-Geral dos Recursos Naturais, tendo desempenhado as funções de
Director dos Serviços Regionais de Hidráulica do Guadiana, em Faro.

Foi Professor do ensino técnico nas Escolas de Silves e de Faro, do ensino
liceal no Liceu de Faro e no Núcleo da UATI de Olhão. Foi também
administrador da CODAL - Construções para o Desenvolvimento do Algarve, S.A.

Licenciou-se em Sociologia, no Instituto Superior de Ciências de Trabalho e
da Empresa, em 1981, tendo vários trabalhos de sociologia publicados, nos
ramos da educação e da política. É membro da Associação Portuguesa de
Sociólogos e da respectiva Secção de Sociologia Política.

Vive no Algarve desde 1960, onde se dedicou à prestação de diversos serviços
graciosos, de carácter sócio-cultural, nomeadamente no Boa-Esperança
Atlético Club Portimonense, de que é sócio honorário, e na nova sede da Casa
dos Rapazes, em Faro, onde foi também membro da Direcção.

Foi Vice-presidente da Assembleia Geral do Cine-Clube de Faro, Presidente do
Sporting Club Farense, Secretário da Comissão Distrital de Árbitros de Faro,
presidiu à Comissão Administrativa do Sport Faro e Benfica, de que veio
depois a ser Presidente da Assembleia Geral. Da Associação de Xadrez de
Faro, que não chegou então a funcionar, foi o primeiro Presidente. Foi
Secretário da Delegação de Faro da Cruz Vermelha Portuguesa e responsável
pelas obras de restauro do Teatro Lethes, Presidente do Rotary Club de Faro
e Presidente da Comissão Distrital dos Serviços à Comunidade do Distrito
Rotário 196, Presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Faro,
Mesário da Santa Casa da Misericórdia de Faro e Vereador da Câmara Municipal
de Faro, onde foi Presidente da Comissão de Arte e Arqueologia e Presidente
da Comissão das Festas da Cidade. Foi o autor dos Regulamentos de Distinções
Honoríficas da Câmara Municipal de Faro, dos Bombeiros Voluntários de Faro e
dos Bombeiros Municipais de Faro, sendo também autor das medalhas das duas
primeiras entidades. Foi Secretário-Geral do Conservatório Regional do
Algarve - Maria Campina.

Iniciou a sua vida de colunista no semanário \\\'Gazeta do Sul\\\', aos 20 anos,
tendo colaborado em jornais regionais do Algarve e do Alentejo, nos diários
Correio da Manhã e Diário de Notícias. Publicou 31 livros, em verso e em
prosa, e obteve mais de uma centena de prémios literários, em Portugal e no
Brasil, tendo alguns romances inéditos. É membro da Sociedade Portuguesa de
Autores, da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, da Associação
Portuguesa de Poetas, da Varanda das Estrelícias, do CEN-Cá Estamos Nós, da
NOVAVPB, dos Confrades da Poesia e presidente da Assembleia Geral da AJEA -
Associação dos Jornalistas e Escritores do Algarve. Fez conferências,
colaborou em espectáculos poético-musicais, apresentou e prefaciou livros,
foi membro de júris de concursos literários. Tem publicado um álbum de luxo
com toda a sua obra poética [1951-2005], foi homenageado pelo Governo Civil
de Faro, Rotary Club de Faro e Clube da Simpatia. É fundador da Tertúlia da
Hélice.

É técnico-voluntário do Refúgio Aboim Ascensão.

A Cruz Vermelha Portuguesa, em 1973, agraciou-o com a Medalha de Louvor.



tito.olivio@sapo.pt

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s