s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Iara Gonalves
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Final e Fim de Amor

Era madrugada
Esperei você
Cara lavada
Camisola nova comprada
Perfume atrás da orelha
Você não veio
Dormi

Era de manhã
Te esperei pra caminhada
Uma legging apertada
Camiseta folgada
Tênis, toda preparada
Você não veio
Corri

Era tarde
Te esperei pro cinema
Calça jeans
Camiseta branca
Rasteira de amarrar
Não chegaste
O filme
Nem vi

Era noite
Te esperei para jantar
Cara maquiada
Vestido vermelho
Sandália de salto
Velas na mesa
Não chegaste
Não comi
Desisti

Era domingo
Dia de Grenal
Decisão de campeonato
Eu em frente a TV
Chegaste em minha porta

Eu, camiseta do grêmio
Chinelo havaina
Descabelada, unha ruída
Quadro clássico
De uma final

Você, calça jeans
Camisa polo
Sapato meio social
Retrato certo
De um avesso a futebol

Pouco havia a dizer
Te esperei muitos dias
Chegaste tarde
Tenho 22 homens
Há me fazer companhia

Voltei a TV
Dia de decisão
Triste constatação
Não me farias feliz
Nossas diferenças
Vinham da nossa raiz

Dia da final
Momento fatal
Resta eu, meu Grenal
E nosso ponto final

Saudade

Um Presente Pra Você

Hoje quero te dar um presente
Envolto em papel dourado
Quero mandar pra você
Essa saudade imensa
Que tem vivido a meu lado

Já começa assim,
Palavra estranha,
Que somente
Em nossa língua
Encontra significado

Mas dela ando cansada
Pois ela anda insistindo
Que faz parte de minha vida
Que me quer por companhia

Por isso hoje resolvi
Mandar a ti como presente
Não a quero mais aqui

Sei que parece estranho
Te enviar este presente
Mas dizem por ai
Que saudade é encontrada
Em grande quantidade
Em dois tipos de gente

Os loucos e os poetas
Como sofrem deste mal

Eu só peço para ti
Cuidado ao abrir o pacote
Pois temo que a saudade
Não queira ficar contigo

E aproveitando esse momento
Decida então fugir
Pegando o rumo do vento
E venha novamente
A meu lado residir

Pois se gosta esta danada
De loucos e poetas
Deve ser este o motivo
De escolher meu coração
Para fazer sua morada

Pois em dois se divide
O lado louco que acredita
Que saudade pode ser embalada
Numa bela caixa dourada
E de presente ser enviada

O outro lado, o coitado
Do poeta abandonado
Que te carrega aqui no peito
Eternamente apaixonado

Saudade

Você já sentiu saudade de amora?
Aquela fruta vermelha,
Pequena, bonitinha,
E de manga, laranja, abacate?
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

E de pipoca de cinema?
Jujuba, caramelo,
A bala sete-belo,
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

E de sorvete?
De morango, creme, chocolate,
De picolé no palito?
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

E de andar pela cidade?
Horas e horas a pé,
Se perder por essas praças,
Passear em ruas bonitas?
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

E de sua infância?
De voltar a ser criança,
Brincar de roda, de ciranda,
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

E da sua gargalhada?
Aquela que é mais que risada,
É alta, sonora e gostosa,
Você já sentiu saudade?
Eu já, eu já.

Saudade é assim mesmo,
Torna a todos iguais
Porque tem um monte se saudade
Que é saudade de toda gente
Não importa
O quanto somos diferentes.

Mas existe uma saudade
Que é saudade só minha,
Que nos torna tão distantes,
Que em nada nos deixa igual.

Você já sentiu
Saudade de VOCÊ?
Eu já, eu já.

biografia:

Iara Gonçalves
, nascida em Marau em 03/06/63, casada, mãe de dois filhos, residente em Porto Alegre.
Poeta, cronista, contista.
Tenho um livro editado com o nome Flores de Papel.
Sou apaixonada pela leitura e pela escrita.
Não saberia viver sem esses dois ingredientes wm minha vida.

iarapoesia@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s