s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Jos Incio Vieira de Melo
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

TRÊS POEMAS DO LIVRO “A TERCEIRA ROMARIA”,

NARCISO


Já não quero saber do amargor do vinho,
sei que sou um bicho espalhafatoso.
Assim vou, degrau por degrau,
lavando o sal do mar de meus olhos,
tirando os véus, despetalando as máscaras.
Qual lâmina d’água decepará a dúvida?
Qual sonho inscreverá a verdade?

RURAL
Para Ivaldo Vieira de Melo

No teu cavalo peito nu cabelo ao vento
Alceu Valença

Eu vou pra roça, ajudar o dia a amanhecer,
chamar os bezerros pelos nomes de suas mães
e ver a vacaria apojar
e sentir a chuva de leite em meus olhos.

Eu vou pra roça, lá Manoel é Mané
e a única máscara são os calos de suas mãos:
– mãos encardidas de leite.

Eu vou pra roça, começar o dia com um sorriso.
Meu cavalo e eu – Centauro do Sertão –
sairemos campo afora
apascentando a boiada, o milharal, o açude.

E os cajus haverão de destravar as fronteiras
e ouvirei o canto das patativas se estender até Assaré
e me entenderei com as beldroegas
e compreenderei a labuta das formigas.

Das quedas, trarei a lição do levantar
e seguirei pela vida ao lado de meu irmão.
Eu vou pra roça, lá o documento é a palavra.

BODAS DE SANGUE
Para Cristina Hoyos

Que beleza é essa que tanto me incomoda?
Que olhar de tâmara – sâmaras que se semeiam –
transborda dos cântaros de tua íris?
O que anunciam teus inquisidores e translúcidos olhos?

Tudo em ti é duplo, senhora do amor bruxo.
De tuas mãos multiplicam-se os gestos e as bênçãos
e com tuas mãos dizes mais que cem mil bocas juntas
e essas mesmas mãos prenunciam a beleza de tuas ancas.

Mas mais do que tudo, o que impera em ti
são esses milagres que são tuas tetas,
dois punhais que a cada instante furam minha paz
e que me ensinaram a amargar a verdadeira sede.

Ah Cristina Hoyos, deusa de Espanha,
vem bailando em nuvens e em versos de Garcia Lorca,
vem com teus punhais para a minha peixeira de 12 polegadas,
pois as nossas bodas só podem ser de sangue.

biografia:

José Inácio Vieira de Melo
é alagoano, radicado na Bahia, nascido em 16 de abril de 1968. É poeta e jornalista. Publicou os livros Códigos do Silêncio [2000], Decifração de Abismos [2002] e A Terceira Romaria [2005]. Publicou também o livrete Luzeiro [2003] e organizou Concerto lírico a quinze vozes – Uma coletânea de novos poetas da Bahia [2004]. É co-editor da revista Iararana e colunista da revista Cronópios. Coordena o projeto Poesia na Boca da Noite. Participou das antologias Pórtico Antologia Poética I [2003] e Sete Cantares de Amigos [2003]. E-mail: jivm.inacio@ig.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s