s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Branco Di Ftima
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Bicos-de-papagaio

Seu sorriso entristece à tarde
como os bicos-de-papagaio
suas pernas embalam as ondas
do mar.
Cada estrela cadente
é uma ilha deserta em seus lábios.
Caminho por ruas vazias de gente,
ruínas,
todas me levam a seu corpo molhado.
A madrugada,
como seus passos e vôos noturnos
embalam os sonhos mais delicados.
Pássaros enfeitam o corpo
desnudo de luz,
Silêncio nas galhas do pessegueiro

Joana

Pelos trilhos da vida eu trilho
como árvores submersas
na caótica dos dias
meus galhos se moldam
aos sons das cotovias
por um portal inimaginável
imagino o mundo e as andorinhas
penso na minha despetalada
como penso os dias
ou apenas me comovem
as horas que por desejo do destino
ocultos pesadelos de vampiro
me vejo a céu aberto sem Joana
em imagens que se distorcem
frutos da natureza humana
e se desfazem feito brisa leve e fria
ou num sol que nasce torto, sem poeta
inibe a lua de crescer
e nas curvas tortuosas de um tempo
juro sempre te proteger
por sobre esquinas entreabertas
no beco dos poetas
ora partida, ora chegada
nos tonantes de minha estrada
manga-rosa, alecrim e goiabada
vive linda e sempre...
Joaninha que bate asas
a minha despetalada.

Deus de porcelana

amanheceu
o sol se escondeu
os relacionamentos são sempre mais superficiais
o poeta não acordou
toma choques da platéia
apresentadores brincam de métricas transexuais
uma centena de casas de vidro
iluminam meu caminho
meus sapatos caminham sozinhos
por entre vitrais
um corpo de luz e outro dígito,
Manifesto lignívoro
tatuo em meu corpo seus corais
a lâmina de barbear proporciona ângulos opostos
aos meus sinais

disritmia, melamedi, hiper-texto
textualizo uma tela de Kandinsky.

Me escondo na estampa da sua saia
saio do mundo das metáforas
crio dúvidas e enigmas de seus signos
recebo um e-mail de Vinicius,
as borboletas que antes voavam
cochicham segredos e vertigens.
Um Deus de porcelana habita meu banheiro
cultuo oráculos vespertinos
respiro o ar fresco e tranqüilo do espelho
me informo na forma de seus cílios.

biografia:
Branco Di Fátima

Jornalista, poeta e escritor mineiro, do Vale do Jequitinhonha [MG].
Especialista pós-graduando em Produção e Crítica Cultural.
Correspondente do portal de notícias culturais Onhas - www.onhas.com.br
- cronista dos jornais Diário de Teófilo Otoni e Nova Imprensa. Agitador cultural e político. Defensor dos Direitos Humanos. Foi premiado em vários concursos literários pelo país afora como: 1º, 2º e 3º lugares no Festivale [Festival da Cultura Popular do Vale do Jequitinhonha] em 2006, 2007, 2008 e 2009; 1º lugar no Concurso de Poesia Adélia Prado e 2º lugar no Festival de Crônicas Jornalísticas Roberto Drummond. É autor do livro de poesia Ruas vazias de gente e organizador do livro Outros Olhares - debates contemporâneos [Coleção Olhares do Dissenso]. Tem textos publicados em diversos livros, jornais, revistas e sites, além de prestar serviços de assessoria de comunicação para projetos culturais.

gmfbranco@yahoo.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s