s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Lgia Antunes Leivas
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Sobre qualquer sorte ou... quando do amor só resta a morte.
Ao som do violão, o poema foi-se chegando.
Dizia de amores passados.
De paixões vividas.
Falava da mulher divinal que tudo fazia, nada exigia.
Contava das noites de amor... densas, intensas, puro ardor!
Da entrega... sombras desenhadas diluídas no chão.
Das horas apetecidas no leito de lençóis de plumas.
Trazia o poema algumas lembranças
dos que em silêncio se inflamam
pelo prazer brotado da carne e do coração!
Contava o poema da festa da ansiedade...
a próxima estrela a beber gestos e jeitos
em mãos já descontroladas.
Braços, bocas, sussurros perpetuando as madrugadas.
...cães ladrantes da noite... mudos para os amantes
...formas em movimento... feminino/masculino
sensações, suspiros, trejeitos... luta das imagens acesas.

O poema dizia... sobre qualquer sorte
da solidão da alma
da insalubridade da vida
quando do amor ...só resta a morte.

Emoções Emergentes

Mar revolto ante meu olhar!
Mistérios, segredos íntimos,
profundezas abissais
trazem outra vez meu passado.

Orla de majestoso contorno...
O primeiro encontro tão de repente!

Revejo-me contigo
[solicitudes, proximidades]
nós entrelaçados
sob o magnífico céu de estrelas
[tão bisbilhoteiras!]
inebriados
a viver a sensata insensatez
das transgressões dos amantes
que se descobrem
quase ao acaso do tempo
[magias das mil e uma noites!...]

A quem coube traçar
o estonteante destino
daquela madrugada?

Olho o mar...
Céu enfeitado!
[... tão comportadas as estrelas...]

Por certo elas sabiam...
um dia nós nos perderíamos por aí
pelos descaminhos surpreendentes
de nossos incertos caminhos...

Esta noite sou apenas confissão.

O sabor da noite
A noite saboreia-se a si mesma. Não para...
Ansiosa, procura um sonho...
último desejo de saciar-se em seus devaneios.
- Ficar só?... nunca!
Sai pelas ruas.
Entra onde parece achar guarida.
Senta. Um lugar comum
...a mesa, o balcão, o banco, um bar qualquer.
Ao fundo, Sinatra e \'My way\',
Elis numa canção cujo título se perdeu.
Tipos variados transitam no espaço exíguo.
Cada qual traz na face a palavra não-dita,
reflexo mudo do que lhe vai na alma, no coração.

A noite voltará amanhã
...tantos outros [des]encantos.
A solidão refaz-se sem mudanças.

biografia:
Lígia Antunes Leivas

De Pelotas, RS, BR. Graduada em Letras [Línguas e Literaturas Latina, Portuguesa e Inglesa] e em Direito; pós-graduada em Língua Portuguesa - Conteúdos e Metodologia. Escreve prosa e verso. Sete livros publicados.
Da Academia Sul-Brasileira de Letras, da qual foi presidente no biênio 2007/09. Pertence a mais 10 instituições lítero-culturais. Revisora de textos. Medalha de Mérito em Extensão pela UFPEL. Foi oradora oficial da 32ª Feira do Livro de Pelotas. Vários prêmios e participações em mais de 60 coletâneas. Assinatura em mais de 50 trabalhos [prefácios, abas, contracapas]de autores nacionais e estrangeiros. Oficineira, palestrante, antologista. Do Conselho de Cultura de Pelotas.

lilu.lfa@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s