s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Vanessa Rodrigues de Sousa
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

ENCANECER

Decompõe-se cada vinco da minha face
Na idade que não quero aparentar,
Ocultando em bases, cores multiformes,
Os inconformes que se formam em meu olhar.

Redescubro em minha pele uma estrada
De caminhos mal traçados e recobertos
Pelos anos, que desabam em grandes marcas
Que se alastram pelo flácido império.

Os meus passos mais cansados, menos firmes,
Se confundem e tropeçam nos caminhos
Que passei a vida toda, em declive,
Sendo triste e fiel aos meus espinhos.

Minhas mãos já não seguram as certezas
Que, de incertas, invalidam meu futuro,
Desabando em minha frente a fortaleza
Na beleza que outrora era meu mundo...

Vanessa Rodrigues

SOLO ESTÉRIL

Faz tanto tempo que caminho em solo estéril,
Por intermédio dessa triste maldição,
Que fiz império no reinado da escória
Da vã memória que habitou meu coração.

Quão violentos os desejos da minha carne,
Invalidada no desuso do meu corpo,
Fui dissipando na ferida que se abre
Em cada frase que auferi num gesto morto.

E foram estorvos que colhi no meu caminho,
Ouros mesquinhos de enorme falsidade,
Onde cravei incessante meus espinhos,
Acorrentando em meu peito a liberdade.

Até que um dia percebi que era tão tarde.
Todos meus atos de extorsão cobraram um preço
Que eu paguei me condenando a mocidade,
Quando cavei e não achei um recomeço...

Vanessa Rodrigues

FRANQUEZA

Ah, meu amor
A tua falta que lateja no meu peito
Guarda um segredo que não quer se revelar
Vive ocultando os prazeres do desejo
Por ser o medo companheiro do penar.

E assim caminha na incerta direção
Colhendo flores dos jardins que são alheios
Tecendo os sonhos que divergem da razão
Plantando em vão no meu solo devaneio.

E não percebo que assim vou me perdendo
E condenando nosso amor que era tão lindo
Sendo fiel ao meu sincero sentimento
E leviana com meu corpo tão mesquinho.

E mais um dia eu mergulho na incerteza
De que não seja esta culpa perdição
Pra que perdoes da minha alma, a fraqueza
E que esqueças do meu corpo, a traição...

Vanessa Rodrigues

COMO ANJOS

Como nuvens delicadas se aproximam suas mãos,
Como raios de luares os seus olhos me encaram
E me deixo ser levada pela ingênua rendição,
Me entregando a seus impérios nos mistérios que me aguardam.

No seu mundo onde a lua e as estrelas são países,
Onde a noite é de encantos que pretende desvendar,
Onde nasce em seu sorriso meus momentos mais felizes,
Onde eu criei raízes para nunca lhe deixar...

Vanessa Rodrigues

BIOGRAFIA RESUMIDA
Vanessa Rodrigues de Sousa
nasceu na cidade do Rio de Janeiro no ano de 1980, vindo de uma família de escritores e literatos desenvolveu ainda muito jovem interesse e aptidão para escrever poesias. Tento passado parte da infância e juventude na cidade de Cabo Frio, foi lá que ingressou em grupos teatrais e poéticos tendo como referencia o grupo Sociedade Dos Poetas Vivos criado e coordenado pelo poeta e literato Maurício Cardozo, que tinha como desenvolver o interesse dos jovens os estimulando e ensinando a recitar e interpretar poetas brasileiros e estrangeiros nos palcos das escolas ou mesmo praças publicas onde trabalhava a espontaneidade e combatia a timidez dos seus discípulos.

Freqüentadora assídua de sarais poéticos trancou a faculdade de direito no sétimo período e está decidida a ingressar no curso de literatura ainda no ano de 2010, o mesmo que está previsto para lançamento de seu primeiro livro de poesias.

Hoje dedica-se regularmente à produção poética, participando de grupos e sítios eletrônicos voltados para o tema, como Rede Social Mural dos Escritores onde é colunista, Refúgio Poético grupo que se encontra na rede Cultura e Humanismo e Café História onde desenvolve poemas voltados para o tema história.

vr021@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s