s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Ilka JARDIM
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

PERPLEXIDADE

Estou perplexo
com o tempo amplexo
forte rigoroso
a apertar meu ser.

Estou perplexo
com o som funesto
grito sibilante
a alertar meu ser.

Estou perplexo
com a temível noite
que me esconde o sol
no horizonte a nascer.

Estou perplexo
com o tempo vento
que não dá mais tempo
de parar o tempo
pra viver você.

Vampira Poesia

A poesia surge,
ressurge e me suga.
Chupa meu sangue
e vacila vampira entre os sentidos.
Chega aos ouvidos
vandálica, valseia pela boca
e cospe palavras.
Pego todas.
Depois de paridas,
parto, reparto, repasso.
Pastoreio seus passos,
porém, como aves
em passarada, voam
e voltam a mim já definidas.
Paragem poética.
Patamar entre o vazio
e o vagido dos versos.
O papel virou paleta,
misturei palavras-tinta:
- Sou poeta!

QUANDO SOU SÓ INSÔNIA

Quando sou só insônia
corro ao piano
e tiro bemóis e sustenidos
com este coração ferido
até ao limite das cordas
Ah! Objeto, instrumento
amigo amante
ouvinte receptor
ousado transmissor
sabe quando estou alegre ou triste
capta minha falsa felicidade
e toda minha dor

Quando sou só insônia
corro ao piano
e tiro bemóis e sustenidos
com este coração ferido
carregando minha bagagem
mágoas, tristezas,
decepções, certezas
que o tempo passou
e levou minha juventude e beleza
meus sentimentos pureza
não cativaram ninguém
mas minh\'alma de artista
ainda voa em busca de alguém

Quando sou só insônia
corro ao piano
e tiro bemóis e sustenidos
com este coração ferido
até ao limite das cordas
Às vezes, embalada por seus sons
consigo dormir e até sonhar
que sou o próprio piano
voando, voando
e com seus sons mais puros
transpondo todas as camadas do ar

Quando sou só insônia
corro ao piano
e tiro bemóis e sustenidos
com este coração ferido
até me retalhar
até me sangrar
me estraçalhar, me decompor
me recompor...
Até voltar a ser
ou deixar de ser

Quando sou só insônia
corro ao piano
e saindo do útero das cinzas
como fênix, volto a nascer!

biografia:
ILKA JARDIM

É carioca, formada em Música pelo Conservatório Brasileiro de Música, exerceu, por mais de 20 anos, o cargo de pianista- ensaiadora do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Faz parte da diretoria da APPERJ - Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro; associada ao SEERJ - Sindicato dos Escritores do Estado do Rio de Janeiro. Seus poemas estão em várias coletâneas lançadas no Rio de Janeiro. Prêmio de Melhor Intérprete e de Melhor texto com seu poema Maria da Silva, no VIII FestCampos de Poesia Falada, Campos dos Goytacazes/RJ, 2006. É responsável pelo evento poético anual No Jardim dá Poesia, junto à APPERJ, no mês de setembro e que reúne mais de 80 poetas de várias tribos, em sua casa em Copacabana, Rio/RJ. Musa da Poesia em 2005, pelos CADERNOS DE POESIA OFICINA.

apperj@apperj.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s