s
s
s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Andr Cervinskis
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Do livro OFICNAS DO CORPO [Brasil, 2002]:

É O CORPO QUE PEDE

É o copo que pede
E não a vontade.
Este corpo fugidio,
Amante das madrugadas.

É o corpo que pede
E fogem a sina e o sonho
Nesta tarde de calor
Pernambucano
De mangaba, acerola e carmesin

É o corpo que pede
A saliva e a caneta
Que escrevem este versos,
Tentativa de esquecer.

É o corpo que pede
Insaciável corpo
Não se contém com a luz
Das manhãs
E com as frutas proibidas
Do jardim

É o corpo que pede
É a vida que pode
A solidão que pede
O corpo no corpo
E a vida na morte.

28-05-03

NASCIMENTO DO POEMA

Este poema ganhou o 3º lugar
no 5º Concurso Poético da Biblioteca Popular de Afogados,
da Fundação de Cultura Cidade do Recife, em abril de 2002.


À Nélida Piñon

Este milagre dentro de mim
eu o trago em hábitos
de púrpura e linho.
Tudo que me cerca
é ouro e prata.
E são anteriores ao meu milênio.

Seguro o oceano
e tiro dele o segredo:
Vasos de barro em tecidos orientais.
Cavo a serenidade do abismo
em busca da pedra da saudade.

Trago nas mãos os afagos
das mãos dos soldados de Hitler.
Trago os ruídos de espíritos impuros
Perturbados com a harmonia
da miséria humana.

Poesia. Lágrimas no papel.
Vozes de marfim em mármore frio.
Poema nasce coberto de palavra.

10/08/98

DESFILE DAS MULHERES BRANCAS DE ITAPISSUMA

Mulheres brancas de Itapissuma,
Que levais em vossos ombros suados?
Beijos e choros dos homens
De vossas vidas.

Mulheres brancas de Itapissuma,
Queria ter a alvura de vossos turbantes
A coragem que puxa madrugadas
Arrasta horas em chãos lavados,
Mesa pronta, cama forrada.

Mulheres brancas de Itapissuma,
Este ônibus me leva
A caminhos seguros.
Para onde vão vossos carinhos,
Mulheres de turbantes brancos,
De alvos turbantes que escondem idéias
E frustrações.

Mulheres brancas de Itapissuma, foi a maré que limpou
Vossas mazelas,
Enchendo vossos seios de leite,
Vossas pernas de viço?

Dai-me vossos turbantes,
Mulheres brancas de Itapissuma,
Itamaracá, Igarassu.
Vossos turbantes alvos
Vão clarear meus destinos opacos.

biografia:

André Cervinskis
é descendente de lituanos e nasceu em Recife, em 13 de maio de 1975. É mestrando em Lingüística [PROLING-UFPB], já formado em Comunicação Social - UFPE. Seu primeiro livro, Oficinas do Corpo [2002], está na segunda edição [2005]. Pelo livro Manuel Bandeira, Poeta até o Fim, recebeu a menção honrosa do Prêmio Vânia Souto Carvalho da Academia Pernambucana de Letras - categoria ensaio, 1994. Escreve desde a adolescência e tem, entre suas principais premiações, o Cancioneiro Infanto-juvenil para Língua Portuguesa, categoria 16-19 anos [1992], Lisboa, Portugal, 1992, além de dois prêmios no Gabinete Português de Leitura de Pernambuco [1992 e 1995]. Ultimamente, recebeu o Prêmio Antônio de Brito Alves [ensaios], da Academia Pernambucana de Letras, 2004 e 2008, como também o 3o lugar do Concurso Poético da Biblioteca Pública de Afogados, 2002, com o poema Nascimento do poema. Já participou do Ábaco, antologia da oficina de Lucila Nogueira de 1999, e Os Eus Poéticos, organizado por Anélio Souza [2004]. Colaborou com a revista Encontro, do Gabinete Português de Leitura, de 2000 a 2002. Escreve resenhas e críticas literárias para o Suplemento Pernambuco do Diário oficial do estado e para a revista Continente Multicultural da Companhia Editora de Pernambuco. Colabora desde 2005 com o suplemento literário Correio das Artes, do Diário Oficial da Paraíba [A UNIÃO] e com o site Interpoética [www.interpoetica.com]. Participa da União Brasileira de Escritores - Secção Pernambuco e da Sociedade de Poetas Vivos de Olinda.

acervinskis@yahoo.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s
s