s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Fernando Antonio Troncoso
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
'Ecos do passado'

Ele era de demncia?
Dissidente do fato
Do cemitrio do mundo

Mediadores me conduziam,
Pensamentos de racismo flertavam-me...
Na fabulosa milcia da cultura

Refugiado ao que me cercava
Minha histria era impactante
Longe da priso
Do tempo final
Da overdose do amor

Na fonte de confiana
Dominava o engano
De reputao de criana
Inspirada no tratado
De ser apenas feliz!

Rompeu-se o lao
Nas informaes dissidentes
Do calabouo do mundo.
Frio, senil e doente
Da fbrica de vidro.

A cor prpura me vestiu
Na doce ferida de meu gozo...
Pecaminosa, ateou fogo ao meu peito,
Iluminada pelo desejo
De meu esprito romntico.

Hoje, a silhueta espira meu desejo
Na doce ferida de lutador
Como caador de toda a sorte
Veno o monstro que habita dentro de mim
No deserto de veneno e morte

Submergiu o inconsciente
Sacudido pela tempestade
Transverberado da sociedade
Esparsa e triste
Escondido na declarao de voto.

Fernando Antonio Troncoso

'Mar a dentro'

Filhos de Gaia
Foram tits do mundo azul
Hoje! Plidas crianas
Sem o amor de me

Filhos de regime transitrio
Em escalas de equivalncia
De coeficientes na transmisso de calor
Onde o mundo fsico, vos amortalhou!

Eles, de acar e caixo de enterro
Bebem-se insanamente
Bebem-se incessantemente
No xito intacto da sensao do nada

Ainda reluzem cintilaes de Gaia
Onde os cavalinhos e cavales correm...
Diante do Sol to claro
Que cega como o brilho da esmeralda

Como flores murchas
Os andrginos que enterram o divino
Tocam pandeiros com a mo
Na exuberncia dos sentidos privados de inteligncia

Agem como fartos do lirismo namorador
Em vidas de amantes exemplares.
Ah, pungentes bbados do lirismo dos loucos
Em silncio gritam: abaixo os puristas!

De dentro desta paisagem erma
Coadjuvantes artistas, to docemente provincianos
Choram sem o olhar de pai
Dando voltas vadias, onde a poesia morre...

Fernando Antonio Troncoso

'Pacto de silncio I'

A imagem era soberba
O nu sorriso do menino
Encantava a donzela...

Me de outros!
Sorriu de vidro cerrado
No pacto de silncio.

Fernando Antonio Troncoso

biografia:

Fernando Antonio Troncoso
poeta amador, natural de Santos, estado de So Paulo, Brasil. Morador de Praia Grande - SP. Pai de duas filhas e separado. Participei de duas antologias poticas somente em companhia de alguns poetas amigos. Escrevo para exorcizar meus medos, angstias e amores, retratados em fragmentos atravs de algumas folhas de papel.
Sonhador de um mundo melhor, tento retratar atravs de meus escritos, os erros que vejo na humanidade e experincias de minha prpria vida.

fernandotroncoso@msn.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s