s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

JUAREIZ CORREYA
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

A AMÉRICA

Há 3 Américas na América.
Nenhum Pai, nenhum Filho, nenhum Espírito Santo.

A tua América não é a minha América.
A tua América inventa os dias
com autômatos humanos robôs e linhas de fabricação em série
unicamente para multiplicar Dinheiro.
A minha América amanhece
sem o pão de cada dia
sem emprego e sem teto,
criança esmolambada pelas ruas.

A tua América entardece com banquetes de sol e sexo
e o esbanjamento criminoso de edificações de luxo.
A minha América vagabunda
nas esquinas e bocas de lixo de cidades fétidas
anda a pé pelas tardes e o sol é só uma estrela
que os seus homens não podem comprar e prostituir
como os teus objetos sexuais.

A tua América invade a noite
com orgias e carnavais e farras astronômicas
sataniza Pai Mãe e Filho
drogados nas avenidas bancárias
e no comércio fabricante de exércitos de armas e mortes
Para um Deus da República de Nova Iorque.

A minha América chove e inunda
Suas ruas pequenas e seus casebres.
É preta e índia sem direito à luz elétrica
não tem João nem José para ir à Guerra
adora a Lua como um astro e uma Mãe
e não como um satélite da Terra à venda.

A tua América mata
A minha América morre
A tua América escraviza
A minha América liberta
A tua América é rica e poderosa
A minha América é miserável e aviltada
A tua América é uma puta decrépita de séculos e túmulos
A minha América ainda vai nascer

Há 3 Américas na América ?
Há só uma América de sonho e esperança.

EM NOME DO BRASIL

Pronuncio teu nome
com fé e orgulho de verdade
de outro modo trairia o sangue
e um homem não trai ninguém
um homem não trai o Pai e a Mãe
e um filho sem fé e orgulho
não existe
Vivo pela tua terra
elo natural da minha existência
nome primal intraduzível e belo :
o que é a palavra Pátria
a palavra Nação
a palavra País
diante do teu nome ?
Tu és vital como toda água atlântica
eterno como o fogo dos dias
de todos os tempos
um céu continental verdeazul
pulmão planetário nos ares da Via-Láctea.
Sou brasileiro
e não sou melhor do que és
não me ufano de mim
como se não tivesse origem e descendência
sou tua seiva teu sangue tua carne
teu corpo multiplicado tua alma coletiva.

Existo porque me criaste
com milhões de irmãos iguais
todos índios brancos e negros
todos morenos abrasados
como a pele do teu sol
todos morenos claros
como a pele da tua lua.
Sonho grandezas e esperanças
da tua dimensão
tenho alegria pelos teus dias
para viver anos séculos milênios
mais humano e mais feliz
para viver tua poesia de paz
tua música de amor
teu desenho de cor
tua pintura natural
teu teatro guarani
teu cinema pindorama
e tua juventude invejável.
Desejo mais do que viver
nunca morrer
como não se apaga a luz
e as trevas não vencem a História
porque nascemos para a Eternidade
e a Humanidade se identifica em ti
se identifica em tua sorte
amanhece com as tuas esperanças
e sonha a bandeira brasílica do teu sorriso
com o hino americano da tua fraternidade
e do teu futuro.

QUANDO A GENTE AMA
[Poema para Márcia]

Quando a gente ama
Mil formas de querer
O corpo proclama
Os dias se inventam
De sóis infinitos
Tardes são feitas
De horas benditas
E as noites se enfeitam
De estrelas ardentes
Um brilho sem fim
Explode olhares
As carnes inflamam
Peles luminosas
E só alegrias
Os corações festejam
Nascidos de novo
Vividos eternos
No tempo dos beijos
Na amplidão dos abraços
No fulgor das carícias
Nas galáxias do gozo
No prazer sem medida
A vida é mais vida
Quando a gente ama.

Biografia
JUAREIZ CORREYA
nasceu em Palmares [região Mata Sul de Pernambuco] no dia 19 de setembro de 1951. É diretor editorial da Panamerica Nordestal Editora, do Recife[PE]. Publicou o livreto Americanto Amar América & Outros Poemas [Recife, 1975], o livro Americanto Amar América [Recife, 1982], e o álbum, com quadrinhos desenhados por Roberto Portella, Americanto Amar América [Recife, 1993]. Publicou ainda estes livros de poesia – O amor é uma canção proibida [Recife, 1979], Coração Portátil [Recife, 1984/1999] e, em parceria com José Terra, Poesia do mesmo sangue [Recife, 2007]. Organizou e publicou as antologias Poetas dos Palmares [Palmares, 1973/1987/2002], Poesia Viva do Recife [Recife, 1996], Arraes na boca do povo – cordéis e repentes [Brasília, 2007].

Endereço eletrônico :

panamerica.nordestal@oi.com.br
netlog.com/duartedonascimento
com.limao.com.br/wikisite/americanto

juareizcorreya@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s