s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Josenildo Brasil
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia
Sentido

Sentido sentir,
no sentido do existir,
do usufruto do fazer,
do usar o que pode fazer.
D sentido ao que est sem sentido,
d totalidade ao sem tom,
d cor ao sem cor,
d nimo e esperana ao desesperado,
de viso e nitidez quele obscurecido na vida,
d brilho ao fusco,
d luz ao escurecido de mente entendida.
Faa o acontecer,
o existir com sentido.
Sinta o sentir melhor,
para dar razo ao sentido.
Use os sentidos: ps e mos, olhos, boca, nariz e ouvidos
para dar sentido ao dessentido/insentido insensvel,
e aquele dormentil no viver sem sentido.
Seja sensvel, sinta a sensibilidade flor da pele.
Sentido entender, saber sentir
para ter sentido, para dar sentido a tudo.
Seja sentido, tenha sentido e faa sentido.

Meninos e meninas de ruartes

Sou aquele que no teve uma verdadeira e decente educao.
Sou aquela que conheceu a rua como serventia da casa,
tornando-se usuria das drogas e servindo de uso/fruto da prostituio diversa.
Sou aquele que fugiu de casa, por no ter paz e no
agentar tantas brigas, intrigas e desunies no seio familiar.
Sou aquela que engravidou na rua, ser ter um lar decente
para dar ao seu descendente.
Sou aquele, aquele triste menino a vagar e pedir esmolas pelas ruas.
Sou aquela que no teve educao digna; sou a excluda
dos descaso familiar e scio-poltico.
Sou aquele que aprendeu nas ruas a consumir drogas,
aprendendo a difcil arte de sobreviver nas ruas.
Somos todos e todas frutos e frutas de um grande
desequilbrio das cidades, que no nos do cidadania;
direito negado, quando no h polticas permanentes de
resgate social, de emprego e renda e de uma integral
educao para todos de fato.
Vamos luta, gritemos e declamemos, faamos valer os
nossos direitos, para que haja uma verdadeira cidade cidad.
Queremos sair das ruartes e partirmos para o melhor estar-bem-estar,
com arte de vida decente, sem ruaas de ruartes.

Homenagem ao poeta que em sociedade est

O poeta vive ou em sociedade est.
O poeta vivo est, para aos vivos falar.
O poeta est no meio, no seio dos anseios
da sociedade que viva est...

O poeta faz parte da sociedade dos vivos
e afins, nessa contempornea cidad.
O poeta faz, completa, contribui, passa e fica
na vida, na memria, no registro de uma sociedade.

O poeta e o poema vivo, eterno pela sua
escrita e obra. Vamos ser poetas e poetisas,
vamos todos, vamos ser da sociedade dos poetas
que vivos esto e afins de que todos sejamos a fim de
poetificar com muita poesia e poema de vida.

Vamos, gritemos e declaremos os atos dos atos
da vida. Viva o poeta em sociedade,
viva os afins e aquis.

biografia:

Josenildo Brasil
, nascido em Natal RN, no dia 04 de dezembro de 1974. Desde muito novo procurou aprender com o conhecimento, com os erros e os acertos da vida. Procura sempre conhecer amplamente a realidade social do povo. Articulador social de corao, pois o que mais gosta de desenvolver trabalhar em parcerias com as pessoas, tendo desempenhado aes importantes, na qualidade de artista plstico/visual e com apresentaes cnico-poeticas, visando conscientizar a sociedade por meio de aes scio-culturais. Como poeta tem vasto contedo potico educativo social, que uma das suas diretrizes de atuao, e vem utilizando a poesia como recurso e ferramenta para desenvolver aes diversificadas perante a sociedade.

josenildobrasil2008@bol.com.br

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s