s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Varley Farias Rodrigues [Cnsul - Z-S-Fortaleza-CE]
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

\'Bebendo a morte\'

Ele tinha ombros largos
Andar pesado, faces rachadas
Mãos trêmulas e pernas inchadas
Conduzia um cajado velho, sujo
Pesado e tosco
Perambulava pelas ruas nuas de sol
E repletas de lua
Nas sarjetas das manhãs sujas, fedidas e frias
Ele despertava para se embriagar de desilusão
Nos copos que a esmola lhe pagava
E era assim sua rotina
Até que um dia
Um automóvel guiado em desespero
Por um fulano
Colega de vicio seu
Bebeu-lhe a vida
Fugiu sem pagar a conta
E nos jornais do dia seguinte
Uma foto em preto e branco
Mostrava um ser caído na sarjeta
Que bebeu a morte em tragos diários

---------------------------
\'Beija-me\'

Beija-me,
O beijo sensual, lascivo,
O beijo vivo
Nos meus lábios mortos
De saudade.

Beija-me,
O beijo que me deixará cativo,
O beijo atrativo
Dos instintos tortos
De vaidade.

Beija-me,
O beijo que me encanta tanto,
O beijo acalanto,
Para por fim ao meu cansaço
Por esperar.

Beija-me,
O beijo que preciso,
O beijo paraíso,
Para que me seja um regaço
Esse teu beijar.

Beija-me,
Assim, de qualquer maneira,
E faz-se a primeira
Nos meus lábios imaturos
E cheios de desejos.

Beija-me,
Assim, como quer que queira
O que importa é que será a derradeira
Nos meus lábios inseguros
Sem teus beijos.

---------------------------

\'Na parede da memória\'
Calara-se a suavidade de sua voz cansada
Quando a idade já lhe pesava tanto
E os anos, no vão do tempo que se perdiam na memória
Passaram por ela escrevendo nos dias
Uma rica e bela história

As faces ressequidas e tão açoitadas pelo chicote do tempo
As mãos vivas a todo momento
Davam sinais de inquietude
E seus passos lentos que duravam séculos
Testavam-me a paciência tão escassa

Na solidão de seus últimos anos
Vivia a ruminar palavras mudas
E vez por outra vazavam no ar sons \'criptografados\'
Ah! Como eu fazia força para entendê-la
Ao menos uma palavra

O seu olhar pacifico me acarinhava tanto
E dizia-me de um amor que ela nutria por mim.
Eu sentia esse amor como sentia o silencioso calor do sol
Das manhãs de todos os dias

Ah! Como são eternas aquelas manhãs em mim
Quando eu, envolto na minha ingenuidade infantil
Vivia a admirá-la de longe, e perguntar-me
Para onde ela tanto olhava ?
E o que ela tanto via lá ?

Hoje, na mesma varanda que ela sentava-se todas as manhãs,
Há apenas a sua cadeira velha a emoldurar a sua ausência,
E em mim uma saudade que emoldura sua presença pacifica e enigmática,
Pintada na minha memória como se fosse
Um quadro de Da Vinci.

biografia:

Brasileiro, cearense, casado, pai de dois filhos, escritor e poeta amador, com poesias publicadas em seis Antologias de Poetas Brasileiros Contemporâneos e no livro Poema Dispersos, Coleção Literatura Clandestina, todos da Câmara Brasileira de Jovens Escritores.

vfarias2005@hotmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s