s
s
s
s
s
s

El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

Joo de Moraes Filho
Nacionalidad:
Brasil
E-mail:
Biografia

Pedra Retorcida

Durante algum tempo,
hesitei abrir aquela porta.

O sentido de toda cidade
estava atado, como um nó,
lá dentro. Talvez fosse
o que jamais procurasse:
o sentido das coisas
explicadas por trás das portas.

Algumas Ruas também
hesitei atravessar.
Eram incansáveis e longas,
como as noites brincadas
lá fora, onde tudo mais cabia.

Em verdade,
nada procurava
além de um pequeno gole
guardado ou esquecido
por trás daquela porta verde:
sem trancas, maçanetas e levemente arranhada
com a dor de abri-la.

Os olhos esverdeados
acompanhavam a inquietação do vento
se infiltrando pela porta exilada
com quem fala: ó de casa!

[As Ruas atravessam o tempo não vencido.]

Aquela porta que hesitei abrir
largou mão de sua fronteira
e deu lugar a janelas
que me assombram pacientes,
até que o frio as feche novamente.

Faz frio por detrás das portas retorcidas;
o outro nos decifra,
enquanto se esconde.


Engenho Vitória

Um silêncio ressoa cá dentro.
Talvez alguma faísca infantil
calasse o risco da margem esquerda dessa mão
calejada em favor do tempo.

Chamam caminho,
a queimadura esticada no chão
de um canavial verde-cinza renovado.

Não que se queira,
mas esse cheiro fumacento de labuta
não escolhe estações.

ORAÇÃO PARA NOSSA SENHORA DA GOTA D’ÁGUA

nos olhos
mudos,

o
lixo
goteja
surdo.

preso
na chuva
do céu.
– meu divino São José!

o
bicho
deseja
tudo,

o
bico
fareja
mudo
– meu divino São José!

BIOGRAFIA

Nascido em 21 de março, em Salvador e feito poeta na cidade de Cachoeira, no Recôncavo baiano onde viveu sua infância. O poeta é graduado em Letras pela Universidade Federal da Bahia, onde iniciou atividade de pesquisa pelo PIBIC/CNPq no Projeto Reconfigurações de Imaginários e Identidades sob coordenação da Profª. Drª. Eneida Leal Cunha.
Em 1987, vai morar no Rio de Janeiro, é quando inicia a escrever seus primeiros traços literários, após ter lido o livro O menino maluquinho de Ziraldo. Em 1988, edita por conta própria os livretos datilografados A menina inteligente e Pode – o criador. Em 1995 volta a morar em Cachoeira, onde funda com amigos a Academia de Desenvolvimento Cultural, ONG da qual foi presidente de 1997 a 1999, ano em que ingressou no Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, graduando-se em Letras Vernáculas em 2003. Em 2001, coordena projetos para publicação Jovens poetas no Pouso da Palavra Arte, Cultura e Comunicação, entre estes: o Movimento poético Poesia na Parede, a Coleção Ofício Dobrado e Quatro Poemas Menores. Neste mesmo ano, participou da edição comemorativa Murilizai-vos, 100 anos do poeta Murilo Mendes, livro editado pela Edufba/Pet/Capes. Dentre suas publicações estão o livretro-experimental Poemas Menores e um Pôster Poema Ora tória, integrando o projeto Poesia na Parede; Concerto Lírico a quinze vozes – Antologia dos Novos poetas da Bahia, organizado pelo poeta José Inácio Vieira de Melo, além de publicações em sites, Jornais, Periódicos e Revistas Literárias do Brasil. Em 2004 ganhou o Prêmio Braskem de Cultura e Arte categoria Literatura / poesia -para autores inéditos, com o livro Pedra Retorcida, editado pela Fundação Casa de Jorge Amado Coleção 123.
Como Arte-educador desenvolveu os projetos Poesia Ouvida: Oficina de Literatura e Criação Literária e o projeto Língua, Cultura e Literatura, ambos no Programa de Educação Supletiva da Fundação Garcia D’Ávila, Praia do Forte, Litoral Norte da Bahia, onde também foi coordenador de Linguagens e Eventos. Atualmente coordena a Ong Casa de Barro Ações Culturais, em Cachoeira, Recôncavo baiano, terra onde reside.

Endereço postal:
Rua Ladeira do Orobó, 02 - Cachoeira – BAHIA - BRASIL



escrevista@gmail.com

 

Desarrollado por: Asesorias Web
s
s
s
s
s
s